terça-feira, 23 de setembro de 2008

Se eu fizesse terapia


"Se eu fizesse terapia, a senhora minha terapêuta teria me dito que o problema é que eu sou meu próprio líder e ando em círculos. Sim, eu sei, me equilibro entre dias e noites. A minha vida toda espera algo de mim, e é a expectativa que mata. Porque as decisões que tomamos não tem volta. É a velha história do efeito borboleta e da responsabilidade com o mundo. Conectividade universal. Eu fui até o fim. Até onde eu achei que podia ir. Até o limite do suportável, beirando a loucura.
Se eu fizesse terapia, a senhora minha terapêuta teria me dito que o problema é que essa história de repetir situações que não se conseguiu resolver, no intuito de solucioná-las nas próximas tentativas, é a maior furada. Porque a primeira vez é sempre a última chance. Não existe uma maneira de tentar de novo e fazer dar certo. Ou se acerta, ou não (já disse Caê).
Se eu fizesse terapia, a senhora minha terapêuta teria me dito que o problema é que eu tento ser correta, eu me cobro demais, e eu espero que as pessoas tenham a mesma postura que eu. Tudo bem, eu já aprendi a ser menos chata, e eu já percebi que não adianta esperar coisas de quem não está disposto a nada. Porque uma pessoa que responde "não" a qualquer pergunta e que que nega toda forma de carinho só pode ter problemas sérios. Desisti de tentar entender. Não sou responsável por isso. Pelo menos isso eu entendi.
Se eu fizesse terapia, a senhora minha terapêuta teria me dito que eu fiz certo em parar agora. Ela teria me apoiado e me dito que eu fiz tudo certinho, mas que as coisas não dependiam só de mim. E teria me dito também que essa relação doentia de dependência e submissão, quase sadomasoquista, que me subjulgava, e me fazia implorar piedade e atenção a todo instante ia acabar destruindo o que restava de mim.
Se eu fizesse terapia, a senhora minha terapêuta teria me dito que o amor que sentimos por nós é o mais importante. Que somos seres independentes e que nos bastamos. Uma outra pessoa é complemento, não é necessidade.

Se eu fizesse terapia, a senhora minha terapêuta teria me dado alta."

Essa carta foi encontrada na rodoviária de Acopiara.

Um comentário:

Annamarya disse...

Eu lamento pelo cara pq conheço essa jóia q vos fala...